Fique por dentro do

mundo angelus

Gestão
< Voltar

Como aplicar o manejo comportamental na odontopediatria?

Angelus | 6 de agosto de 2021

O atendimento de bebês e crianças exige um preparo especial do dentista, sendo necessário adotar técnicas de manejo comportamental na odontopediatria. Seja por ser um lugar novo, seja pelo contato com uma pessoa desconhecida ou por outros aspectos — o fato é que o paciente pode estar ansioso e com medo na consulta.

Com isso, pode ser difícil para o odontopediatra realizar os procedimentos da maneira adequada. Então, é importante que ele conheça e adote estratégias para prestar o atendimento com segurança e de forma humanizada.

Quer entender o que é manejo comportamental no atendimento odontológico de bebês e crianças? Acompanhe este post e veja quais técnicas você pode aplicar durante o atendimento!

O que é manejo comportamental na odontopediatria?

É um conjunto de técnicas que o odontopediatra pode adotar para que haja a cooperação do paciente no atendimento. A ideia é conduzir a consulta de maneira que a criança confie no dentista e aceite os procedimentos realizados.

É comum que o público infantil tenha medo do atendimento, pelo fato de não saber o que vai acontecer. Em muitos casos, o próprio comportamento dos pais que, no passado, não tiveram uma boa experiência no dentista, pode influenciar os filhos pequenos — especialmente, nas primeiras consultas.

Dessa forma, o paciente pode chegar ansioso e tenso: assim, pode se recusar a se sentar na cadeira, abrir a boca, chorar, entre outras manifestações. Isso compromete o bom andamento da consulta com o odontopediatra.

Por que é importante que o odontopediatra saiba como adotar essas estratégias?

Adotar as técnicas de manejo comportamental na odontopediatria favorecerá que o profissional realize seu trabalho com segurança. Além disso, permite oferecer um atendimento humanizado, de forma que seu paciente e os pais se sintam respeitados e fiquem tranquilos na consulta.

Além disso, ao fazer a criança aceitar os procedimentos do odontopediatra, o profissional ganha tempo na consulta. Logo, não compromete a sua agenda, causando atrasos e aborrecimentos com outros pacientes.

Outro fator é que, ao conseguir a cooperação da criança, o profissional fideliza esse paciente e pode acompanhar sua saúde bucal por um longo período. Isso porque o odontopediatra estabelece uma relação de confiança com a criança e sua família.

Quais as técnicas de manejo comportamental no atendimento?

Antes de falarmos das técnicas de manejo comportamental, é fundamental destacarmos que a ambientação do consultório pode colaborar para o sucesso da aplicação dessa estratégia. É recomendado que o ambiente tenha uma decoração colorida e lúdica, pois isso já contribui para que o paciente fique mais tranquilo.

Confira, a seguir, as principais estratégias que o odontopediatra pode adotar!

Prepare-se para o primeiro contato com o paciente

Busque o paciente na sala de espera, apresentando-se e chamando-o pelo seu nome. Pergunte a idade e comece uma conversa descontraída com ele. É importante chegar, também, com um discurso positivo, como: “você veio aqui cuidar desse sorriso bonito?”.

Tenha atenção ao vestuário: a dica é utilizar um jaleco, gorro e máscara coloridos para que, aos poucos, a tensão da criança vá diminuindo. No cadastro do paciente, pergunte informações aos pais sobre os pequenos, como os personagens ou as músicas favoritas. Dessa forma, você tem subsídios para iniciar uma conversa mais próxima com o paciente.

Tenha atenção ao tom de voz

Um aspecto importante é, mesmo nas situações mais difíceis, manter a paciência e um tom calmo de voz. Tudo isso ajuda a criança a aceitar melhor os procedimentos. Todavia, isso não quer dizer que deva deixar de ser firmeza com o paciente, no caso dele insistir com um mau comportamento.

Deixe a criança confortável

Logo que a criança entrar no consultório, mostre a sala, os equipamentos e os materiais. Caso o paciente se recuse a sentar na cadeira, pergunte se ele quer que o pai, a mãe ou outro acompanhante se acomode junto.

Ofereça, ainda, óculos de proteção coloridos e bonecos ou bichos de pelúcia para que ele possa abraçar. Ter um monitor para passar desenhos enquanto a criança é atendida também pode facilitar o processo.

Explique como será cada procedimento

Antes de realizar qualquer procedimento, explique para a criança. Essa é a técnica conhecida como “dizer, mostrar, fazer”. Sendo assim, é essencial conversar com a criança sobre o que será feito, mostrar o instrumental que será utilizado e, na sequência, executar o tratamento.

Se possível, utilize o espelho ou outro item na boca de um bicho de pelúcia ou fantoche para descontrair o momento. Uma dica é abordar a criança com humor, inserindo nomes engraçados para os materiais, músicas infantis ou rimas.

Utilize técnicas de dessensibilização

Uma técnica de manejo comportamental na odontopediatria é a de dessensibilização. A estratégia é realizada considerando que a criança está desconfiada e com medo, o que a impede de colaborar.

Nesse sentido, o dentista pode começar com os procedimentos mais simples a serem realizados. Dessa maneira, o paciente pode ficar mais tranquilo e cooperar, mesmo na realização de técnicas um pouco mais complexas.

Implemente o reforço positivo

Uma técnica que tem bons resultados, inclusive, para as próximas consultas, é a de reforço positivo. Quando a criança tem um bom comportamento durante o atendimento, é recompensada.

Pensando nisso, a Angelus desenvolveu itens de papelaria para incentivar o paciente a comparecer à consulta e colaborar com os procedimentos odontológicos de forma lúdica e divertida.

O paciente pode ganhar algum brinde como óculos de proteção e marcado de páginas, ou ainda um certificado divertido de conclusão do tratamento, instruções de higiene, orientação de hábitos e a ficha de raio-x, no qual irá conter as datas das próximas consultas.

Adote materiais odontológicos desenvolvidos para o público infantil

Uma estratégia para a aceitação do tratamento pela criança é a escolha dos materiais, equipamentos e instrumentais. A Angelus tem uma linha desenvolvida especialmente para a odontopediatria — a Angie, em que os itens são coloridos e lúdicos. Entre eles, podemos destacar:

Como você viu, adotar o manejo comportamental na odontopediatria ajuda a tranquiliza a criança e os pais. Permite, ainda, que o profissional realize os procedimentos com mais qualidade e segurança, além de ser um meio de criar um vínculo de confiança com o paciente.

Quer mais dicas para melhorar o atendimento odontológico? Acompanhe os nossos conteúdos atualizados pelo Facebook — basta curtir a nossa página para não perder nenhuma novidade!